Relatos de Parto - Um dia das mães sem cor

        Hoje venho contar como foi o parto da minha princesa Luna e seu terrível desfecho.


        Na época eu tinha 16 anos e engravidei do meu namorado da época, como meu desejo sempre foi ser mãe, em momento nenhum eu pensei em desistir da gravidez e interrompê-la, tive o apoio total da minha família.
        Durante a gravidez, eu fiz o pré-natal certinho, fiz somente duas "ultra", que pra mim eram radiação suficientes para o bebê já e engordei, e como engordei, foram 26 quilos a mais, sendo a maioria deles adquiridos na reta final da gestação.
        Quando estava com 38 semanas, sentia um pouco de dor na lombar, mas o médico me disse que era normal, então segui sem reclamar, numa tarde, com 41 semanas, a dor estava insuportável e resolvi tomar um banho para alivia-la e durante ele eu senti minha barriga descendo e o liquido da bolsa escorrendo pela minhas pernas. Fiquei tranquila, terminei o banho e liguei para o corpo de bombeiros e informei que estava de bolsa rota, porém sem contrações, e eles prontamente mandaram uma ambulância para me buscar e me levar ao hospital. O bombeiro que me buscou, brincou comigo e disse que eu teria que trabalhar muito pra comprar fralda e leite, que os bebês consumiam muito, ele foi muito atencioso comigo, claro que percebeu que estava muito nervosa.
        Minha internação foi as 18:15, na Santa Casa da minha cidade, fiquei sozinha no hospital, não permitiram nenhuma companhia, apesar de na época eu ter apenas 16 anos. Como disse acima eu estava completamente sem dor, mas logo colocaram eu no soro de ocitocina sintética, e logo a dor veio, e amigas, ela veio com força! No quarto onde fiquei, tinham mais 4 gestantes em trabalho de parto e todas elas gemiam muito, e assim como eu, estavam todas sozinhas, tentávamos nos apoiar, mas a dor de algumas parecia tão dilacerante, seja por medo, angustia ou solidão, que elas mal conseguiam se expressar direito. Quando deu meia noite, me dei conta que já era dia das mães (14/05/2006) e eu como queria caminhar um pouco, sai pelos corredores, escondido das enfermeiras, e fui visitar as outras mamães que já tinham ganhados seus bebês e estavam no quarto, para desejar a elas um feliz dia das mães. 
        Voltei para o quarto já eram mais de 2 horas da manha e a dor seguia latente. Acho que naquela noite fizeram uns 15 exames de toque, pelo menos, e cada hora era uma pessoa diferente que o fazia, aquilo foi muito desconfortante para mim, me lembro com tristeza. 
        Quando deu 6 e meia da manha, uma enfermeira entrou no quarto e pediu que eu deitasse na cama e empurrasse a cabeceira da cama, para ajudar a Luna a "descer", meia hora depois a obstetra do turno do dia entrou, fez mais um toque e disse que eu já seria levada para a sala de parto, que já tinha dilatado tudo.    Porém, nessa hora a menina do lado começou a gritar e quando foram olhar a cabeça do neném dela já havia nascido, assim, ela me disse que eu esperaria ela atender a outra e logo depois seria eu, essa é a ultima coisa que me lembro com clareza, ela me dizendo que já voltava para me buscar.
        A partir daqui o que tenho são flashs de lembranças e o relato das pessoas que estavam a serviço na maternidade aquele dia.
        Eu entrei na sala de parto já com eclampsia e logo depois tive uma convulsão, ai os médicos e enfermeiros amarraram meus braços e pernas na mesa de parto e pediam que eu fizesse força e parasse de me debater - efeito da convulsão - como se isso fosse algo que eu estivesse fazendo de propósito. Me lembro de momentos do anestesista gritando comigo, dizendo que eu estava matando meu bebê. Isso são palavras que jamais conseguirei apagar da minha mente.
        A minha bebê coroou e saiu a cabecinha dela até a altura da testa, porém como eu desmaiei eu parei de fazer força e consequentemente o parto não evoluía, usaram o fórceps, me cortam e muito (levei 45 pontos), ai nesse momento, acreditem, a médica que estava atendendo começou a passar mal e chegou a desmaiar -relato das enfermeiras que estavam de plantão - e foi preciso chamar o médico responsável da época, para finalizar o parto. Quando ele chegou, queria "empurra" o bebê de volta e fazer uma cesárea, mas uma das enfermeiras pediu para tentar uma ultima vez fazer a manobra de kristeller  e o médico permitiu, ela então subiu na mesa, nesse momento eu estava recobrando os sentidos, e empurrou com a perna, e a Luna então saiu de uma vez só, e então houve o silencio, os minutos mais ongos da minha vida, até que começasse a gritaria dos médicos e enfermeiros, dizendo para tentar reanima-la, porém, nisso já eram 9 e meia, 1 hora e meia depois do começo do parto e ela já tinha ficado muito tempo sem oxigênio e infelizmente foi dada como natimorta, ou seja, criança nascida morta. 
        A médica 1, então trouxe ela para eu ver e me deu a pior noticia do mundo, a de que minha princesinha infelizmente não sobreviveu a toda violência obstétrica que ela sofreu.
        Me desmanchei em lagrimas e desespero, não sabia o que pensar, não queria acreditar que aquilo realmente estava acontecendo. E ai, me doparam, apaguei e fui recobrar os sentidos as 13h da tarde, daquele ensolarado dia das mães, sozinha, em um quarto frio, a essa altura meus pais já tinham chegado e estava lá embaixo, resolvendo os tramites para a liberação do pequeno corpo da minha princesa.
        Pedi que me trouxessem ela, mas se recusam, então pedi que me levassem lá, e negaram também, mas mesmo assim, peguei uma cadeira de rodas e desci três andares até o necrotério do hospital, onde estava o corpinho dela, a troquei e segurei minha princesa pela primeira e ultima vez com sua sua roupinha de saída de maternidade que eu passavas horas imaginando ela usando. Na testa a faixinha linda rosa cobri ao roxo que ficou da compressão do meu períneo sobre ela. Ela nasceu grande 54 cm e 4.200 gramas, branca, como futuramente seria sua irmã Lara e linda!
        Não fui liberada para ir ao enterro dela, que foi no mesmo dia as 15 horas, mas me liberaram para ir para casa as 17:30. Com muita dor física e emocional. Meus pontos inflamaram e 3 dias depois tive que retornar ao hospital, porém, misteriosamente, minha ficha havia sumido e está assim até hoje.
        Já faz 8 anos que minha primogênita se foi e não há um dia que não me lembre dela, de como ela estaria hoje, de todos os dias de sua vida que me foram roubados. Mas entreguei minha dor ao meu Deus, que nunca me desamparou e ele me deu forças para seguir em frente e depois de dois anos eu pude dar a luz a uma outra garotinha, Lara, em uma sexta feira 09/05, dois dias antes do dia das mães!


        Sei que nada no mundo jamais apagará minha dor, mas por mais difícil que pareça, sempre podemos recomeçar, claro, sempre haverá uma marca que lembrará aquilo que vivenciei!
        Esse post não tem como objetivo criticar o parto normal, muito pelo contrário sou uma militante para divulgação do parto humanizado, mas sim para alertar as futuras mamães, para que se informem, procurem, leiam, entendam cada fase da gravidez e de cada tipo de parto, para que vocês saibam exatamente o que está acontecendo e possam fugir dessas tristes violências obstétricas!
        E semana que vem eu trago o relato de parto da minha princesa Lara, que foi meu presente, meu recomeço!
        Até lá!

E pra quem quiser contar sua história aqui também, basta mandar um email contando tudo para
dedicacaodemae@gmail.com
Ficaremos felizes em compartilhar sua história aqui :)

Beijos

48 comentários:

  1. Poxa amiga .. muito triste mesmo!
    Mas como disse .. acho que Deus já tinha tudo planejado para vc e este anjinho hoje está lá em cima olhando e cuidando de vcs ... eu creio! bjs no coração e vou mandar o meu .. rs .. bjs

    Roberta Aquino
    Diário de uma Princesa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Roberta!
      Obrigada pela visita!
      Beijos

      Excluir
  2. Que triste! Mas Deus sabe de todas as coisas! Hoje tem Lara, sua alegria!
    Bjos
    Tatty

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Tatty, hoje ela ilumina meus dias!
      Beijos

      Excluir
  3. Nossa eu me emocionei lendo seu relato, mas Deus sabe de todas as coisas, e ele ti presente-o com outra garotinha, que Deus ti abençoe sempre. Bjs
    www.blogdemaepramamaes.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Daiane! Deus te abençoe sempre também!
      Beijos

      Excluir
  4. Que triste
    Realmente é uma dor que jamais apaga da mente
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. O bom da história é que Deus ganhou mais um anjinho! Não vamos ficar tristes mas vamos usar essa história para dizer não a violência obstétrica que tanto vemos
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, esse é o intuito!
      Obrigada pela visita!
      Beijos

      Excluir
  6. Não tenho nem palavras:(
    A pior dor do mundo, tenho certeza!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Aline...
      Obrigada pela visita.
      Beijos

      Excluir
  7. Nossa, me emocionei,de verdade, me fez lembrar do parto do meu principe,me colocaram no soro,demoraram me atender e ele quase morre com o umbigo enrolado duas vezes no pescocinho dele,quase o matando sufocado,passou da hora e o tiraram com fóceps...que Deus te ilumine e te ajude aguentar essa dor que sei nunca passará,minha mãe nunca esqueceu da minha irmã que morreu bebe.
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Nossa não sabia dessa sua história me emocionei com seu relato.. Mas Deus sabe de todas as coisas, e ele não permiti nada se não for o melhor, pense sempre assim e tenha fé, seu anjinho está olhando por você e pela irmanzinha! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Letícia, obrigada pelo carinho!
      Beijos

      Excluir
  9. Nossa que triste!!
    Esses médico erram muito nesse ponto
    Ficam esperando a mulher ter a dor sem ela terem aff
    Mas infelizmente acontecer sempre isso
    Temos que nos unir para combater esses mal partos
    Bjus
    http://segredosdaluma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, temos que ficar atentas, leteia!
      Obrigada pelo carinho e pela visita!
      Beijos

      Excluir
  10. Ter filho muito jovem é dificil mas tudo se ajeita .
    Nem me fale em erro médico aff

    ResponderExcluir
  11. Muito triste, não consegui conter as lagrimas =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil, amiga...obrigada pela visita e pelo carinho!

      Excluir
  12. Amiga imagino sua dor, tão nova e carregando uma bagagem dessa, realmente comovente. Erros vemos nos noticiários e relatos de amigos diariamente. Eu tive meu filho com 17 anos e também foi um parto complicado, sofremos juntos, eu e ele. Só para você ter uma ideia, os hospitais da cidade inteira entrevam de greve no dia em que a bolsa rompeu, eu tive que ir para outra cidade e passei por grandes apuros, mas ainda bem que no final deu tudo certo, mas até escutei que eu não estava grávida de um aspirante a médico, é filhaa parecia que estávamos em guerra, o que tinha de mulher em trabalho de parto naquela sala... só vendo mesmo :/
    Ainda bem que você conseguiu recomeçar sua vida e está tendo uma linda história com sua segunda filha. Mil beijos querida! <3
    www.emnovoestilo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, sério?
      Quanta barbaridade, temos que lutar com essas violências obstétricas.
      Obrigada pela visita
      Beijos

      Excluir
  13. Emocioante, acho que não existe alguém mais forte que mãe , para superar tudo . Com certeza seu anjinho está em cima olhando por você, Não existem palavras de consolo, apenas uma sensação que somente você sabe. Deus está sempre ao seu lado . beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza, Joyce.
      Obrigada pelo carinho...
      Beijos

      Excluir
  14. Sei sua dor emocional, perdi um bebê ainda no ventre e foi a pior dor que já senti na vida. Imagino como foi para você ainda tão novinha e sozinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, amiga, sério?
      Sim...é difícil demais :(

      Excluir
  15. Bem triste, mas Deus sempre sabe o que é melhor
    bjcas
    http://estou-crescendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Que triste, meu pequeno ficou um bom tempo tbm sem respirar porque ja estava passando da hora dele nasce, de tanto que ele fez pra nascer, por pouco não nasce com 'problemas', o meu foi cesaria, por causa de troca de plantão, e sempre que meu acompanhante saia eles vinhas pra fazer toque ou ver a ficha
    Bjinhos

    mamaenathan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Nossa amiga, não contive as lágrimas. (:
    Beijos
    Adri

    ResponderExcluir
  18. Choro ao ler e escrever sobre o tema.
    Você é uma guerreira, que Deus esteja sempre te amparando e fortalecendo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagino, é um tema muita delicado mesmo, eu também choro sempre..
      Obrigada pelo carinho e pela visita
      Amém
      Beijos

      Excluir
  19. Nossa estou emocionada aqui. Como pode fazerem tantas barbaridades, e ainda a ficha sumir. Acho que teriam que ter pago por isso.
    Mas como disse somente Deus para te consolar, perder um filho é uma dor que nunca se cicatriza, somente aprendemos a viver com as lembranças. Bjs
    Vivi e Isaac

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nem me fala, Viviane!
      Obrigada pelo carinho
      Beijos

      Excluir
  20. Nossa, fiquei emocionada! Que lindo relato! Imagino a cena horrível que deve ter sido. Nossas meninas nasceram no mesmo dia, que coincidência!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Pati!
      Sim, foi terrível, mas Deus me amparou!
      Nossa, que coincidência mesmo!!!
      Beijos

      Excluir
  21. Oi amiga, não tem como não chorar e sentir essa dor que vc sentiu.
    Mas Deus é grande e hoje vc está ai, cheia de vida, para cuidar da sua linda princesa Lara.
    Agora estranho é a sua ficha sumir do hospital, mas enfim, Deus é grande e justo, qualquer erro ou negligência, ele sabe de tudo... Os seres humanos enganam uns aos outros, mas a Deus, ninguém engana.
    Que bom que vc superou tudo.
    Desejo toda a felicidade do mundo para vc e sua família.
    A Lara é uma bonequinha que adoro acompanhar através do blog.
    Mil beijos,
    Ju
    Mãe Sem Fronteiras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho, Ju! Realmente não foi e não é fácil!
      Beijinhos

      Excluir

Que bom que você nos visitou!
Deixe seu comentário, ele é muito importante :)
Beijos
Dedicação de Mãe